sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Medicina Funcional e Indiferença Animal

Medicina Funcional, Medicina Alternativa, Medicina Preventiva, Medicina da Longevidade Saudável... estes são alguns dos nomes para uma nova medicina que está aí revolucionando os meios ortodoxos, porque utiliza suplementos em vez de medicamentos de farmácia. E investe na prevenção, o que é sempre melhor do que cuidar da doença depois que ela se instala.

Sou adepta desse tipo de medicina, que também recomenda mudanças na alimentação. Uma coisa, porém, não engulo: a maioria dos profissionais que segue essa linha alternativa, recomenda ingestão de carne e até de gordura de porco.

Sei muito bem - por experiência própria - que gordura de porco é muito mais saudável do que margarina. Fui criada comendo torresmo com farinha e nunca tive taxa elevada de colesterol. Mas o que me deixa perplexa (vegetariana que sou desde 1991), é o pouco caso que esses médicos fazem do sofrimento animal na nossa sociedade de consumo.

Comer carne nos dias de hoje é completamente diferente da forma como os povos antigos comiam. Os animais eram livres, abatidos em caçadas. A sociedade contemporânea, com seu regime de confinamento e técnicas de engorda e abate, transformou a vida dos bichos num verdadeiro inferno na terra. As maiores vítimas são os frangos, os bois e os porcos.

E aí, fico pensando com meus botões: o que será do nosso futuro se até doutores que seguem caminhos não ortodoxos, permanecem totalmente indiferentes ao sofrimento supremo dos nossos irmãos animais? Fala-se em holocausto animal, o que acho pertinente. 

E muitos de nós ainda dizem que amam os animais! Amam os animais, ou amam algumas espécies animais? Somos insensíveis a toda essa ignomínia?



Estas são algumas das práticas realizadas pelos criadores de porcos, com o nosso beneplácito:

* Os filhotes têm suas caudas amputadas e dentes cortados, a cru;

* Os machos são castrados sem anestesia;

* As porcas vivem entaladas entre barras, o que impede o simples movimento de virar-se. Ao ter suas crias, conseguem apenas alimentá-las e por muito pouco tempo, pois os leitões são apartados das suas mães muito cedo;

* Atividades essenciais e básicas como correr, andar na terra, tomar banho de sol ou de lama, respirar ar fresco, são todas suprimidas.

A Essere Animali, bem como inúmeras ONGs ressaltam que os porcos são animais inteligentes, amorosos e brincalhões. E são obrigados a suportar uma existência miserável, dentro das grandes fazendas de criadores absolutamente sem sensibilidade para o inominável sofrimento desses seres.

“Depois do sofrimento também no transporte, os porcos são mortos nos matadouros por sangria, através do corte da jugular, depois de terem sido eletrocutados para ficarem atordoados. Por causa dos ineficazes métodos de atordoamento, muitos porcos ainda estão vivos quando são atirados para dentro de água  fervente, que serve para lhes retirar os pelos do corpo e para lhes amaciar a pele. Quando são mortos, os porcos machos ainda são pouco mais velhos do que bebês – têm apenas cerca de seis meses de idade.” (http://www.institutoninarosa.org.br/site/veg/).

Outro dia, ao ler no Facebook essa nova apologia ao consumo de banha de porco, publicada por um médico que sempre admirei, comentei: "A pergunta que faço é: será que diante da forma totalmente insensível dos criadores de porcos da nossa sociedade contemporânea; será que diante desse verdadeiro holocausto a que submetemos esses seres que sofrem e nada podem fazer por si mesmos para mudar sua situação, temos o direito de falar apenas setorialmente? Não creio, me perdoe. Acabar com o holocausto animal é dever de cada um de nós. Há muitas formas de obter boa saúde. Não necessariamente colaborando com essa carnificina". Tinha alguma esperança de que ele respondesse. Mas não disse nada.

Sigo apostando no bom senso e na sensibilidade. Uma humanidade que contribui para o banho de sangue gigantesco que está aí, não pode ir longe. Precisa ser repensada. 

Fiquei feliz ao encontrar este lúcido comentário: “Antes que alguém diga que precisamos consumir carne para garantir nossa subsistência, lembro que há até fisiculturistas vegetarianos. Ainda que este argumento fosse defensável, porém, devemos pensar se a nossa suposta necessidade por este tipo de alimento justifica que submetamos os animais a atos de crueldade, torturas e dores inimagináveis. Irracionais não são apenas os animais; somos também nós, os humanos, quando permitimos que este tipo de brutalidade ocorra.” (Aurélio Munhoz)

Sugiro aqui um bom vídeo para refletirmos e mudarmos nossos paradigmas. Trata-se de
"Os segredos do marketing de alimentos": https://www.youtube.com/watch?v=rDPRtLW4WBM

Repensemos. Mudemos. Por eles. O horror que vivem extrapola o razoável e exige um olhar compassivo de nossa parte.  

terça-feira, 9 de maio de 2017

Buda e o Wesak


"Só há um tempo em que é fundamental despertar. Esse tempo é agora." - Buda

Celebramos este mês mais um Wesak - Festival de Buda, cujo ápice é no dia 10 de maio (lua cheia de Touro).

Longe de ser uma festa privativa dos budistas, esta festa é de toda a humanidade, de todos aqueles que prosseguem acreditando no poder do Amor, no poder da Luz, no poder da Paz. 

O mundo atual não suporta mais separatismos. A Física Quântica está aí comprovando que todos somos UM. O Universo é uma imensa teia, onde tudo e todos estão interligados. 

Embora os meios sejam diversos, todos os grandes mestres do quilate de Buda vieram ao planeta não para criar uma religião particular, dirigida a um determinado povo. Ao contrário, eles vieram simplesmente para propagar o Amor e a União entre nós. Se tivermos a boa vontade de nos abstermos das particularidades das mensagens de cada mestre, veremos que todas elas convergem para um mesmo ponto: a Paz.

Assim, festejemos o Wesak, sejamos budistas ou não, porque o Wesak é uma ocasião muito especial para um aprofundamento em nós mesmos. É uma festa onde podemos realizar o nosso próprio ritual, pedindo paz para nós mesmos e para o planeta Terra.

Aproveite o momento! Embora o ápice seja no dia 10 (plenilúnio), a energia da festa começa alguns dias antes e continua alguns dias depois da lua cheia.

Sintonize-se com a vibração dos seres espirituais ao redor do mundo que participam do Festival Wesak. Purifique-se! Pratique alguma meditação, ouça mantras ou músicas que elevem o espírito, contemple a natureza, tome um banho de ervas, observe atentamente seus pensamentos, substituindo os não construtivos por pensamentos de amor.

Crie visualizações sublimes em sua mente, como meditação: visualize-se no centro de belas paisagens, junto a lindas cachoeiras e vales verdes e refrescantes... Observe-se banhado de luz... Sinta dentro de si a paz desses ambientes. E tente expandir essa paz para os entes queridos e para o nosso planeta.  

Recite a prece universal:

A GRANDE INVOCAÇÃO


Do ponto de Luz na mente de Deus,
que flua Luz à mente dos homens,
e que a Luz desça à Terra.

Do ponto de Amor no coração de Deus
que flua amor ao coração dos homens,
que Cristo retorne à Terra.

Do centro onde a vontade de Deus é conhecida,
que o propósito guie as pequenas vontades dos homens,
propósito que os mestres conhecem e servem.

Do centro a que chamamos a raça dos homens
que se realize o plano de Amor e de Luz
e que seja cerrada a porta onde se encontra o mal.

Que a Luz, o Amor e o Poder
restabeleçam o Plano Divino sobre a Terra 
hoje e por toda a eternidade. 
Amém.

Prática da Bondade Terna

Se você não acredita em Deus, mas sente vontade de rezar, tente praticar a "metta" (prática da bondade terna): sente-se, acalme a mente e diga:

- Que eu me livre do medo.
- Que eu me livre do sofrimento.
- Que eu seja feliz.
- Que eu seja cheio de bondade terna.

Em seguida, concentre-se em alguém que você AMA e diga a mesma oração por essa pessoa.
Depois, da mesma maneira, por uma pessoa NEUTRA.
Por fim, por alguém de quem NÃO GOSTA.
Ao fazer isso, você alimenta dentro de si as sementes da bondade e do amor, que depois se irradiarão.

(Hogen Bays - Comunidade Zen)

Mantras para purificação da mente:

OM MANI PADME HUM (Recebemos a Jóia da consciência no coração do Lótus).


https://www.youtube.com/watch?v=c5lFASQqong

O Pensamento de Buda

“Aqueles que me conhecem sabem.
Aqueles que não me conhecem julgam.
Aqueles que pensam que sabem
tudo sobre mim, estão enganados.
Para ver o que poucos viram
você tem que ir onde poucos foram...”

"Se fosse possível observar claramente o milagre de uma única flor, toda a nossa vida se transformaria."

"Somos o que pensamos. Tudo o que somos surge com nossos pensamentos. Com nossos pensamentos, fazemos o nosso mundo."

"É a própria mente de um homem, e não seu inimigo ou adversário, que o seduz para caminhos maléficos."

"Guardar raiva é como segurar um carvão em brasa com a intenção de atirá-lo em alguém; é você que se queima."

"Nossa existência é transitória como as nuvens do outono. Observar o nascimento e a morte dos seres é como olhar os momentos da dança. A duração da vida é como o brilho de um relâmpago no céu, tal como uma torrente que se precipita montanha abaixo."

"Jamais, em todo o mundo, o ódio acabou com o ódio; o que acaba com o ódio é o amor."

"A sabedoria já existe em estado latente dentro de nossa consciência."

"Milhares de velas podem ser acesas de uma única vela e a vida da vela não será encurtada. Felicidade nunca diminui ao ser compartilhada."

‎'' A língua é como uma faca afiada, mata sem tirar sangue. O sábio domina palavra, corpo e mente.'' 

“O conflito não é entre o bem e o mal, mas entre o conhecimento e a ignorância.”

“Meditação traz sabedoria; a falta de meditação deixa-o na ignorância. Saiba bem o que o conduz para a frente e o que o prende atrás, e escolha o caminho que o guie à sabedoria.”


FELIZ WESAK!

domingo, 7 de maio de 2017

Os Mestres e o Silêncio

Os tempos em que vivemos andam extremamente ruidosos. Raríssimas almas cultivam o silêncio. 

Hoje, Dia Internacional do Silêncio, é dia de refletirmos sobre nossas barulhentas vidas. Barulho dentro de casa, barulho fora de casa. Rádio, TV, celulares... tudo nos movimenta a favor do ruído.

Desconhecemos que um mero silêncio de 10 ou 15 minutos ao dia poderia nos beneficiar (corpo/mente/alma) de forma muito salutar. 

Silêncio para contemplar. Silêncio para nos aprofundarmos em nós mesmos. Silêncio para nos desentoxicarmos da poluição sonora no nosso entorno.

Da mesma forma como desaprendemos o valor do silêncio, devemos reaprender o caminho até ele, porque o caminho do silêncio é o caminho da paz, e o caminho da paz é o caminho natural do nosso ser interno, da nossa essência.

Quando falamos do silêncio, não estamos nos referindo ao silêncio-omissão. Deixar de dizer uma palavra amiga a uma pessoa que sofre; deixar de dar o testemunho diante de uma injustiça é inaceitável. Estamos falando não desse silêncio, mas do silêncio necessário à nossa evolução como indivíduos, como raça. 

O ruído constante nos deteriora; provoca estresse, agitação, falta de concentração. Indivíduos estressados são mais propensos às doenças, bem como à violência, à insanidade.

O mundo precisa urgentemente de pessoas que estejam dispostas a praticar o silêncio conscientemente, como forma de amenizar esse grande caos externo em que se transformou a vida, principalmente nas grandes cidades.

No início, pode ser difícil. Com a continuação, torna-se um hábito. Habitue-se a dispensar alguns minutos por dia ao silêncio. Pratique a contemplação por uns instantes. Olhe para a natureza, sinta sua beleza. Ou simplesmente feche os olhos e procure a beleza dentro de si. Ela está lá, esperando por você, como uma jóia não lapidada. A lapidação virá com o seu olhar diário. Olhe para ela, dê-lhe atenção e ela se transformará no mais belo diamante. Esse diamante é você, uma alma divina.


Os Mestres e o Silêncio



“O sábio domina palavra, corpo e mente.” - Buda

"Aprende a confiar no que está acontecendo. Se há silêncio, deixa-o aumentar, algo surgirá. Se há tempestade, deixe-a rugir e se acalmará." - Lao Tsé

“O silêncio é a fala do investigador espiritual. Fala doce e macia é a expressão do amor genuíno. O ódio grita, o medo berra, a vaidade trombeteia. Mas o amor canta canções de ninar; ele suaviza e acalma. Pratique o vocabulário do amor e desaprenda a linguagem do ódio e do desprezo.” – Bhagavan Sri Sathya Sai Baba

"Deixe o silêncio revelar-lhe os segredos do mundo." - Rumi

“Se você quer sentir a orientação de Deus na sua vida, não perca tempo desperdiçando conversa com os outros. O silêncio é o altar do Espírito.”  - Yogananda

“É melhor ser rei do teu silêncio do que escravo das tuas palavras.” – William Shakespeare

“Tenha um momento de silêncio interno para considerar tudo que se apresenta e só então tome uma decisão. Assim desenvolverá a confiança em si mesmo e a Sabedoria.” - Tao

“Ao falar, você apenas repete o que já sabe... mas ao ouvir, talvez você possa aprender alguma coisa.” – Dalai Lama

“O silêncio é um amigo que nunca trai.” - Confúcio

“O silêncio é a vitória do espírito sobre a matéria. Ele é a base da alquimia que transforma veneno em néctar – sofrimento em alegria. Afinando-se com os códigos divinos do silêncio, transitamos do estado de esquecimento para o estado de lembrança de quem somos. Em síntese, o nosso trabalho é realizar o silêncio, pois tudo que é belo e verdadeiro, tudo que edifica e constrói, nasce desse estado interior.” – Sri Prem Baba

“Prestar atenção ao silêncio exterior cria um silêncio interior e a mente fica serena. Um portal está se abrindo.” – Eckhart Tolle

"Aquele silêncio, que não é o silêncio do fim do barulho, é só um modesto começo. É como passar por um túnel estreito para se chegar a um oceano imenso, vasto, extenso - a um estado imensurável, atemporal. Mas isso não se pode compreender verbalmente, a menos que se tenha compreendido toda a estrutura da consciência e o significado do prazer, do sofrimento e do desespero, e as próprias células cerebrais se tenham tornado quietas. Então, talvez alcanceis aquele mistério que ninguém pode revelar-vos e nada pode destruir.” – J. Krishnamurti

“O ‘silêncio’ é um estado no qual não há movimentos mentais ou vitais de nenhum gênero, e no qual existe uma profunda imobilidade que nenhum movimento na superfície pode penetrar ou alterar.” – Sri Aurobindo

“A verdade é o florescimento do silêncio, porque sempre que estão silenciosos, as portas se abrem – e vocês estão no templo.” – Osho

“Somente quando as ondas da mente se acalmam e ficamos em silêncio, somos capazes de ver o Ser Superior.” – Amma

“Enquanto o homem discute sobre doutrinas e dogmas, demonstra não ter provado o néctar da verdadeira fé. Provado ele, surge o silêncio.” – Ramakrishna

“O homem arruína mais as coisas com as palavras do que com o silêncio.” – Gandhi

“Só o silêncio é completo.” – Sri Sri Ravi Shankar

“Se os homens tivessem no silêncio a mesma capacidade que têm no falar o mundo seria muito mais feliz.” – Espinoza

“Nunca quebres o silêncio se não for para melhorá-lo.” – Ludwig van Beethoven

“Da árvore do silêncio pende seu fruto, a paz.” – Schopenhauer

segunda-feira, 20 de março de 2017

Equinócio de Outono

"Eis que alcancei o outono de meu pensamento." - Charles Baudelaire

"Uma árvore em flor fica despida no outono. A beleza transforma-se em feiúra, a juventude em velhice e o erro em virtude. Nada fica sempre igual e nada existe realmente. Portanto, as aparências e o vazio existem simultaneamente." - Dalai Lama

"Outono é outra primavera, cada folha uma flor."  Albert Camus

 "Nossa existência é transitória como as nuvens do outono. Observar o nascimento e a morte do ser é como olhar os movimentos da dança. Uma vida é como o brilho de um relâmpago no céu. Levada pela torrente montanha abaixo." Buda

"Repara que o outono é mais estação da alma do que da natureza." Drummond

"Uma névoa de Outono o ar raro vela,
Cores de meia-cor pairam no céu.
O que indistintamente se revela,
Árvores, casas, montes, nada é meu."

(Fernando Pessoa)

"Caminho na tarde
ela me oferece
longos braços
e estende-me
tapetes de folhas.
Caminho em seu corpo
só o outono e eu."

(Miriam Portela)

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Yogananda e o Vegetarianismo

A importância da dieta vegetariana segundo Paramahansa Yogananda:

“É evidente que, de acordo com o costume e a disponibilidade de alimentos da época, Jesus não defendeu uma dieta vegetariana estrita. O cultivo de frutas, cereais e hortaliças era relativamente escasso nas regiões desérticas onde elepregava. Sua missão na Terra não exigia que elefosse um nutricionista, mas consistia em impregnar nas pessoas a consciência de Deus.

É verdade que aqueles que estão ainda no estágio de desenvolvimento da disciplina espiritual deveriam preferir uma dieta vegetariana. Todavia, as restrições dietéticas têm pouco significado para os grandes mestres que atingiram a consciência divina, que veem o mundo inteiro como a manifestação das ideias de Deus. Para eles, todas as diversas experiências físicas não passam de diferentes atos da consciência sob a influência do sonho cósmico. Para o homem de realização divina, a própria ideia de conferir realidade a qualquer tipo de dieta é uma ilusão. Aquele que despertou da ilusão onírica do cosmos percebe que ele próprio é Espírito, seu corpo mortal e suas experiências físicas existindo somente como ideias amorfas da consciência.

Ainda assim, as várias formas de dieta e seus diversos efeitos sobre o corpo não deveriam ser arrogantemente negados. É uma grande incoerência teorizar sobre a natureza ilusória do corpo, enquanto ao mesmo tempo se encoraja a ilusão gratificando a fome e realizando outras atividades que reforçam a consciência corporal. Quando se alcança o estado de êxtase espiritual e o contato com Deus, não há nada que afete o conhecimento de que o universo, com todas suas experiências, é um sonho de Deus, que está sonhando através de cada ser. Até que o aspirante espiritual alcance esse estado de libertação de todas as compulsões ilusórias, é preciso que leve uma vida de disciplina espiritual, observando uma dieta vegetariana mais saudável – assim como outras práticas que ajudem a conservar a saúde – a fim de manter o corpo em condições apropriadas para a meditação e para o serviço espiritual a Deus. As pessoas que alegam possuir o estado de santidade e, amparadas nessas falsas credenciais, desdenham as regras básicas de uma vida física e espiritual saudáveis atraem a inevitável oposição da lei cármica.

Jesus tinha dito anteriormente que ele – o esposo, o mestre divino – e seus discípulos, não necessitavam jejuar para se purificarem espiritualmente da consciência do corpo, uma vez que já se encontravam impregnados da consciência transcendente. Não obstante, Jesus acrescentou que, quando já não contassem com sua presença física, os discípulos teriam de aderir a uma vida de disciplina mais estrita a fim de preservar a sintonia com as vibrações espirituais dele.

Os grandes mestres adotam um estilo de vida e alguns dos costumes do lugar e da época em que encarnam; isso não significa que cada detalhe de seu modo de vida esteja santificado para sempre e que todas as gerações futuras devam seguir tal exemplo! Algumas pessoas pensam: ‘Jesus comia carne e bebia vinho; portanto, devo fazer o mesmo’. Todavia eu lhes digo: Tornem-se primeiro como Jesus; então, tudo o que vocês ingerirem nesse estado de consciência será puro Espírito e, como tal, não terá efeitos prejudiciais. Para as pessoas não iluminadas e presas à consciência do corpo, uma dieta baseada em produtos animais contribui significativamente para o desenvolvimento de muitas enfermidades, incluindo as doenças cardíacas e o câncer, e é prejudicial para a saúde física, psicológica e espiritual. Se as pessoas seguissem uma alimentação vegetariana apropriada, desapareceriam muitas das doenças fatais que prevalecem na civilização moderna.

Qualquer que seja sua dieta, a pessoa deve orar e afirmar: ‘Pai Celestial, ensina-me a compreender que eu vivo graças a Tua consciência; que, sem nascimento nem morte, sou uma onda de Teu infinito oceano de vida, de Tua energia imortal e de Tua consciência imutável’.”

Fonte: Trecho do livro A Segunda Vinda de Cristo, Vol. 2, de Paramahansa Yogananda, editado pela Self-Realization Fellowship

Ilustrações: Internet (escolhidas pela autora do blog)




terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Harmonia com os Animais

Como será o mundo quando a humanidade se tornar vegetariana, respeitando a vida animal e vivendo em total harmonia com nossos irmãos bichos? Com certeza, um mundo bem diferente deste em que vivemos. A começar pela preservação. Hectares e hectares de florestas deixarão de ser dizimadas para o pasto. O carma humano será amenizado. A compaixão reinará. Eu acredito!

OS DIREITOS UNIVERSAIS DE COMPAIXÃO DOS ANIMAIS (Sadhu T. L. Vaswani):

1 - Não mate;
2 - Não silencie o canto dos pássaros em liberdade;
3 - Não aprisione um animal, pois ele não cometeu nenhum crime;
4 - Não compre um animal, a não ser para libertá-lo;
5 - Não colabore com aqueles que vivem da venda de instrumentos para matar ou prender animais;
6 - Não mate, nem maltrate, proteja. Dê uma vida ao invés de tirá-la;
7 - Alimente um animal ao invés de alimentar-se dele;
8 - Amar é respeitar aos nossos semelhantes. Sabia que os animais têm família como você, então proteja-os;
9 - Faça do seu quintal um viveiro sem grades, como seu coração;
10 - Faça deste mundo um lugar livre, sem gaiolas, armadilhas ou redes, para que possa amar aos pequeninos sem causar-lhes sofrimentos.
  

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Reflexão Sobre a Morte

“A contemplação da morte é o próprio fundamento da disciplina espiritual." 
(Sathya Sai Baba)

"Quem vive deve morrer, passando da natureza para a eternidade." 
(Shakespeare)

No Dia dos Mortos, uma bela reflexão de Osho:

A morte é o maior mistério da vida. A vida tem muitos mistérios, mas não existe nada que se compare à morte. A morte é o clímax, o crescendo. A pessoa tem medo dela porque ela ficará perdida, ela se dissolverá nela.

Ela tem medo da morte por causa do ego — o ego não pode sobreviver à morte. Ele ficará nesta margem quando você passar para a outra; ele não pode ir com você. E o ego é tudo o que você sabe sobre si mesmo, daí o medo, o grande medo: "Eu não existirei mais depois de morrer."

Mas existe uma grande atração também. O ego você perderá, mas não a sua realidade. Na verdade, a morte lhe revelará a sua verdadeira identidade; ela levará embora todas as máscaras e revelará a sua face original.

A morte tornará possível, pela primeira vez, que você encontre o seu âmago mais profundo, a sua subjetividade mais profunda assim como ela é, sem nenhuma camuflagem, sem nenhum fingimento, sem nenhuma personalidade falsa. Por isso é que todo mundo tem medo da morte e se sente atraído por ela.

Essa atração foi mal-interpretada por Sigmund Freud, que achou que havia um desejo de morte no ser humano — ele o chamou de Thanatos. Ele dizia, "O homem tem dois instintos básicos, fundamentais; um é Eros — um desejo profundo de viver, de viver para sempre, um desejo pela imortalidade — e o outro é Thanatos, o desejo de morrer, de acabar com tudo".

Ele não entendeu o espírito da coisa, pois ele não era um místico; ele só conhecia uma face da morte — que ela é o fim da vida —, ele só sabia uma coisa: que a morte é o fim. Ele não se deu conta de que a morte é também um começo.

Todo fim é somente um começo, porque nada acaba totalmente. Nada pode jamais acabar. Tudo continua, só a forma muda. A sua forma morrerá, mas você também tem algo sem forma em você. O seu corpo não existirá mais, mas você tem algo aí dentro, dentro do seu corpo, que não faz parte do seu corpo.

A sua parte terrena voltará à terra, é pó sobre pó, mas você tem algo do céu em você, algo do além, que empreenderá uma nova jornada, uma nova peregrinação. A morte causa medo se você pensar no ego, e ela agrada você, atrai você, se você pensar no seu verdadeiro eu.

Então a pessoa sente uma vaga atração pela morte; se você ficar totalmente consciente dela, ela pode se tornar uma compreensão transformadora, pode se tornar uma força de mutação.

Procure entender tanto o medo quanto a atração. E não pense que eles sejam opostos — eles não se sobrepõem, eles não são opostos um do outro; eles não interferem um no outro. O medo está voltado para uma direção: o ego; e a atração está voltada para uma dimensão totalmente diferente: o eu destituído de ego.

E a atração é muito mais importante do que o medo. O praticante de meditação tem de superar o medo. Ele tem de se apaixonar pela morte, tem de convidar a morte — o praticante de meditação não tem de esperar por ela, ele tem de evocá-la, pois a morte é uma amiga para ele.

E o praticante de meditação morre antes do corpo. E essa é uma das mais belas experiências da vida: o corpo continua vivendo, externamente você continua vivendo como sempre, mas interiormente o ego não existe mais, o ego morreu.

Agora você está vivo e morto ao mesmo tempo. Você se tornou um ponto de encontro entre a vida e a morte; você contém agora os opostos polares e é grande a riqueza quando os dois opostos polares estão presentes.

E esses são grandes opostos polares, a vida e a morte. Se abarca ambos, você será capaz de abarcar Deus, pois Deus é ambos. Uma face de Deus é a vida, a outra face é a morte.

Isso é belo — não torne isso um problema.


Medite a respeito, faça disso uma meditação e você será imensamente beneficiado.


("O Livro do Viver e do Morrer: Celebre a Vida e Também a Morte")