sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Educação do Futuro

Recebi a mensagem abaixo via Facebook, do amigo Wallace Lima. Reproduzo-a aqui porque os bons exemplos precisam ser divulgados, independentemente de cultura, raça, religião. Essa tribo nos dá uma idéia de como deve ser a educação do novo milênio: positiva, sempre positiva, procurando reestruturar e reintegrar o indivíduo no seu meio, mostrando-lhe que, em essência, ele é bom, basta recordar quem ele é.

A referida mensagem - uma pérola! – é a seguinte:

Há uma tribo africana que tem um costume muito bonito: quando alguém faz algo prejudicial e errado, eles levam a pessoa para o centro da aldeia, e toda a tribo vem e a rodeia. Durante dois dias, eles vão dizer àquele ser todas as coisas boas que ele já fez.

A tribo acredita que cada ser humano vem ao mundo como um ser bom, cada um de nós desejando segurança, amor, paz, felicidade. Mas às vezes, na busca dessas coisas, as pessoas cometem erros. A comunidade enxerga esses erros como um grito de socorro. Daí então se unirem para erguer a pessoa, reconectando-a com sua verdadeira natureza, lembrando-a sobre quem ela realmente é, até que ela se recorde totalmente da verdade da qual ele tinha se desconectado temporariamente: "Eu sou bom".

(Fonte: Dharma Comics)

Sathya Sai Baba - que foi, a propósito, um grande educador -, disse: “Temos muito a aprender com os outros. Não é preciso duvidar desse fato. Aqueles que se recusam a aprender desse modo declaram-se tolos”.

E o Dalai Lama diz: "Os seres humanos são criaturas sociais, e sentir-se valorizado pelos outros é a própria base da vida em comunidade".

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Mestre Kuthumi e o Portal 12/12/12



O PORTAL 12/ 12/ 2012 
E COMO NOS AJUDARÁ ESTA GRANDE ATIVAÇÃO EM NOSSAS VIDAS

Mestre Kuthumi

O próximo 12 de Dezembro se produzirá um evento sem precedentes na história da Terra. Pela primeira vez se ativarão de maneira definitiva os códigos de luz da alma. Os quais foram desativados faz milhares de anos.
Cumpre-se assim um requisito imprescindível para a chegada da nova Terra: ao ser humano, pois, para ascender, tem que estar completo. Recuperaremos deste modo o que nos pertence por direito próprio: a lembrança de quem somos e para que viemos, assim como as capacidades que nos são inerentes. Mas uma coisa é recuperar e outra é saber utilizar.

Para as pessoas que estão despertas, a recuperação dessas lembranças e capacidades pode representar uma bênção. Muitos levam anos desejando-o. Entretanto, os que ainda continuam ancorados na velha energia podem ver-se imersos de repente em um profundo caos interior.
Lembranças aos que não encontram o porque e percepções que não compreendem e que, além disso, assustam-lhes. Será necessário que, depois dessa data, as pessoas que trabalham ao serviço da Luz aumentem seus esforços para ajudá-los a integrar o processo.
Cada um de nós deve preparar-se previamente para esse momento, tal como nos aconselha o Mestre Kuthumi com estas recomendações:

1. Procurar a paz interior. Um momento de silêncio ao dia para escutar a voz do coração.
2. Receber conscientemente a luz do sol, com a intenção de absorver seu poder curador e elevador de freqüências.
3. Manter o rumo na direção indicada pela voz do coração. Aquilo que somos se manifesta nestes dias mais que nunca. Caem as ataduras que nos cegavam, derrubam-se barreiras que nos limitavam. Por fim, muitos de nós nos animamos a empreender aquilo que devemos realizar aqui, nesta dimensão.
4. Praticar o desapego de velhos padrões limitantes. Abandonar os pensamentos, costumes e reações que alimentam ainda a antiga energia, procurando transformá-los em luz por meio do amor.
5. Fomentar o Amor em todas nossas relações, as que mais amamos e as que nos conectam com o medo. Estas últimas são as que mais nos elevarão se formos capazes de banhá-las de amor e aceitação.
6. Receber a energia da Fonte em meditação. Sua influência em nossos corpos sutis é imensa. Possui um grande poder transmutador que nos libera e nos conecta.
7. Sentir-nos Um. Praticar em nossas visualizações a União com tudo o que é e com tudo o que existe.

Quando chegar o momento receberemos em nosso interior uma grande luz. Essa luz traz os códigos de ativação que necessitamos para recordar. São códigos de uma vibração muito alta. Quanto mais elevada seja a própria vibração durante esse dia, mais harmônica resultará a entrada da luz e sua ancoragem em cada um de nós.
Podemos nos preparar como nos recomenda o Mestre Kuthumi, mas, além disso, esse dia devemos dedicá-lo especialmente aos cuidados da própria energia, ao equilíbrio interior, a manter a vibração bem alta.
Atividades como meditar, passear ao sol ou estar em contato com a Natureza, são as mais recomendáveis. Terá que evitar especialmente tudo o que nos desconecte de nossa essência.
Deveremos nos alimentar com moderação, procurando não ingerir mantimentos de baixa vibração, como a carne ou os vegetais transgênicos, e realizar algum exercício físico que nos ajude a ativar o fluxo sangüíneo, já que os códigos de luz serão transportados através do sangue, do coração ao resto de nosso organismo.
A ativação se estará produzindo durante todo o dia, mas não perceberemos completamente seus efeitos até o dia seguinte, depois de ter dormido um mínimo de seis horas.
A partir da manhã de 12 de novembro, muitas pessoas sentirão o profundo desejo de dar um giro completo a suas vidas. Outros empreenderão seu caminho com forças renovadas; e outros sentirão uma grande confusão interna.
Os efeitos variarão em função do grau de evolução de cada um, e das resistências que esteja opondo ao processo de mudança, que todos estamos experimentando.
O objetivo desta ativação é acabar com as limitações que, do interior de nós mesmos, estão nos impedindo de evoluir ou despertar.
Não se trata de uma interferencia no livre-arbítrio dos seres humanos. Trata-se de eliminar uma limitação que nos foi imposta ha milhares de anos, quando alguns seres confusos decidiram interferir em nosso processo evolutivo.
Se nos detemos a explicar o como e o porque daquela ocorrência, seria entrar na velha energia de separação e luta, da que já nos estamos afastando. Já não importa como, quando, onde, quem ou para que, dentro de pouco estará resolvido.
O 12 do 12 do 12 se produzirá uma grande ativação, mas não será a última. Grandes acontecimentos nos esperam à volta da esquina. Recebamo-los com amor, livres de temores e inquietações, porque chega o reino da Luz à Terra, e isso merece uma grande festa. Todos Re-unidos em relação a diversidade, uma orquestra sinfônica tem dezenas de instrumentos variados, diferentes, mas juntos soam celestialmente. Assim devemos estar conscientes neste momento. De coração a coração, muita luz.
Mestre Kuthumi

12.12.12 - COMO PREPARAR-SE PARA O PRÓXIMO PORTAL

Acredito que são atitudes que, independente da abertura do portal 12:12:12, devem ser buscadas por nós constantemente. Trata-se de mantermos a nossa integridade como Seres Divinos que somos.
Começando a limpar nossas próprias Vidas amorosamente. Despedindo-se de todos os hábitos e formas de pensar que têm suas raízes na ilusão da separatividade e da negatividade. Revisem seus mundos e desprendam-se. Livrem-se de tudo que não está em consonância com a Verdade de seu Verdadeiro Ser, ou Ser Real. Simplifiquem tudo, até que tudo esteja vibrando de acordo e deixe espaço para o Novo... Terminem tudo o que deixou inacabado, resolvam todas as relações que estiverem pendentes, livrem-se de tudo que os prendem ao passado, tudo que os tornam menores do que realmente são. Organizem suas Vidas de maneira eficiente e equilibrada, dando assim um suporte para o Ser Superior.
Assegurem-se de ter um tempo para cada coisa, para poder então entrar no Silêncio e escutar as Transmissões que a partir de agora estão disponíveis. Reúnam-se com Grupos para apoiarem-se em desenvolvimento contínuo. Reservem um tempo para relaxar e descansar, pois isto facilita a integração com as Frequências mais aceleradas que estão agora ao nosso alcance. Livrem-se de qualquer conceito errôneo a respeito de poderes. Todos nós temos usado de maneira errada nossos Poderes, isto é parte da terceira dimensão. Ponham de lado os conceitos de culpa e se perdoem por todas as transgressões. Recordem-se de quem realmente são e ancorem seu Ser Superior em seu corpo físico. Seus egos aos poucos desaparecerão.
Este Ser Superior é pleno de Amor e Sabedoria e começará a ver pelos seus olhos, a pensar pela sua mente, transformando tudo. Assumam suas novas identidades de Seres Superiores, sem nenhum temor. Centralizem-se no Todo, ao invés de nas partes do Todo. Vejam a Humanidade como um imenso Ser Superior unido em Amor. Sintam-se unos com o Anjo Dourado Solar e deixem-no Servir à sua vida diária e atuar na Consciência da Humanidade, aliviando suas cargas e iluminando seus caminhos. Lembrem-se que não estão sós, somos milhões... 


(Agradecendo a Marilu Martinelli o envio)

Portal 12/12/12


Recebi e transcrevo esta mensagem sobre o portal 12/12/12:

12/12/12: O Grande Portal de Irradiação Crística Sobre a Terra.
A Energia Crística Feminina desce ao coração humano.
O nascimento do Quinto Sol

Amados Trabalhadores da Luz,
No próximo dia 12 de dezembro de 2012 se produzirá um evento importante em forma de um portal simbólico 12-12-12, quando uma grande irradiação de energia de luz dos planos Crísticos superiores penetra a nossa amada Gaia, a Mãe Terra, para despertar o coração de todos os seres humanos que estão na disposição de entrega e serviço. É a energia do despertar alma humana adormecida por muitos milhares de anos e é a energia preparatória, o prólogo do seguinte grande evento: o Solstício de 21 de dezembro de 2012, o fim do mundo ego, o fim do ciclo de luta, obscuridade e medo para todo aquele que decida conscientemente situar-se na nova vibração de Amor que corresponde a esta nova realidade que já existe, da Ascensão da Terra à Quinta Dimensão. Estamos falando da segunda vinda do Cristo à Terra, não como indivíduo, mas como o advento da energia Crística, a Consciência Superior da Fonte Deus Pai/Mãe, para o coração de cada ser humano preparado para aceitar essa grande e gloriosa mudança.
A Nova Terra Ascendida já existe numa realidade paralela e depende de nossa escolha habitar essa nova realidade ou permanecer no velho mundo de sofrimento, medo e morte.
A Nova Terra Ascendida só pode ser vista por aqueles que se renderam à verdade do Espírito em si mesmos; não é algo que vai aparecer nos noticiários e nos jornais. Essa mudança externa que todo mundo espera não é senão o reflexo de uma grande mudança interior e é totalmente real para aqueles que a vivem. E é, sem dúvida, algo completamente estranho e inexistente para aqueles que decidam continuar vendo o mundo com as velhas lentes e a velha mente humana de separação e medo. Tua mente tem de "desaparecer" (render-se, colocar-se a serviço do Espírito) para que essa mudança gloriosa possa ser vista.
Naturalmente, quanto mais seres estiverem experimentando a decisão de abertura ao nosso Ser, ao Espírito que realmente somos aqui na Terra, mais irmãos poderão sentir-se chamados a essa grande mudança e a unir-se a essa nova realidade da Terra Ascendida.
Depois do solstício de 21 de dezembro deste 2012, haverá uma ampliação do portal de oportunidades para que todos aqueles que não realizaram a transição à nova consciência possam fazê-lo, e possivelmente o “botão de reinício" da mente humana vai ser pressionado várias vezes nos próximos anos para possibilitar esta oportunidade. Tudo vai muito rápido e o papel da "Presença" além do ego (o eu personalista) dos trabalhadores da luz despertos será fundamental para apoiar, nos próximos anos, o despertar do maior número possível de almas que ainda estão dormindo o seu sonho da matrix no sonho, a velha realidade programada da 3ª dimensão.
Deixaremos a seguir uma bela oração para a Mãe Terra neste 12-12-12, bem como a informação do evento de celebração que assistiremos em Liuramae (Borja-Zaragoza), e alguma outra informação sobre o solstício do próximo 21 de dezembro , convidando a cada um para, nesse dia 12, unir-se em meditação a nós ou outros grupos de pessoas de todo o planeta, de modo a apoiar, assim esse grande presente de energia que nos está sendo ofertado.
Eu os saúdo, no amor e no serviço. (www.ascensionnuevatierra.es)
O Filho de Deus clareando as trevas com a Luz!

ORAÇÃO À MÃE TERRA

Ó Mãe, minhas lágrimas caem pelo seu rosto.
Acabei de recordar que nós, os trabalhadores da luz, retornamos
Para estender nossa rede de amor ao teu redor!
Desde distantes estrelas e galáxias,
desde vidas passadas, presentes e futuras,
viemos para guiar tua cura.
Nós, os trabalhadores da luz, alma a alma,
tocamos os corações de muitos a cada dia.
A cada reconhecimento, rimos e choramos.
Nosso amor é abundante, e flui, e brilha.
Nós, os trabalhadores da luz, em perfeita alegria,
silenciosamente expandimos o amor incondicional.
Dorme em paz, Mãe querida,
pois nós, as almas antigas, voltamos
desde os tempos passados e futuros.
Que o amor, o riso e as lágrimas de alegria
iluminem o teu rosto agora e para sempre.
________________________________________
Programa:
Chegada às 11h da manhã. A partir das 10h haverá canto de louvor no Oratório e “Sahumación” geral.
11h30: O fogo sagrado é acendido.
12h: Cerimônia de Ativação do Tótem (12h12).
12h30: Meditação no Oratório
13h: OM coletivo; conexão com a rede planetária e uma curta palestra com Miyo.
14h30: Danças típicas.
Alimentação às 16h.
www.emiliofiel.com Tel: 699 354 725
________________________________________
Canalização

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Ainda Sobre a Kundalini da Terra


MENSAGEM:
Patagônia argentina. Foto da autora do blog
Eu sou o Criador em manifestação. Eu sou um arcturiano. Eu sou Anthena.

Eu, Anthena Arcturus, me dirijo a vocês no mais profundo raio de amor e sabedoria e chego hoje inundando seus corações com a mais pura Energia de Alta Frequência.
Junto com a Federação Galáctica da Luz e o Alto Conselho da Luz Universal, damos-lhes as nossas bênçãos.

É por pedido do Grande Criador que hoje compartilho com vocês a seguinte informação:

Muitos de vocês sabem da existência de diversos lugares sagrados pelo corpo da Mãe Terra. Estes lugares foram escolhidos por sua alta frequência vibratória, por serem verdadeiros vórtices de energia que permitem a entrada no planeta de uma incontável quantidade de informação e de novos códigos.

Esta informação e os novos códigos para a ascensão chegam à Terra diretamente da Fonte Central da Galáxia através do que vocês chamam de plasmas solares e a que também chamam os cientistas atuais que se encontram muito preocupados com o aumento desses plasmas.

Devem se lembrar de que não há nada com que se preocupar... isto é parte do Plano Divino e o aumento dessas explosões solares, tanto em quantidade como em intensidade, é parte do processo de aceleração que hoje se vive no planeta Terra e em toda a Galáxia, e essas explosões não são mais do que grandes quantidades de energia carregada de informação... informação que entra em vocês e ativa o novo humano galáctico.

Tudo está simplesmente perfeito. Muitos de vocês também sabem que há milhares de anos um grupo de trinta e três seres representantes de diversas civilizações extraterrestres foram convocados pela Federação Galáctica da Luz para virem à Terra com a finalidade de protegê-la da escuridão e nela instaurar assim a Luz. Desses trinta e três seres, trinta e dois responderam ao chamado...

Concordou-se que o trigésimo terceiro seria a humanidade e a partir deste momento, esse grupo de seres que se autodenominou "Grande Fraternidade Branca", está esperando por este instante sagrado.

Naquele momento a Kundalini da Terra se encontrava ancorando na Energia Masculina em uma zona do planeta que vocês chamam de Himalaia. Naquela cordilheira seria fundada a Cidade de Luz Planetária chamada Shambala e durante milhares de anos aquela região seria o centro de iluminação do planeta Terra.

Muitos de vocês sabem que a Kundalini da Terra começou a se mover por volta de 1949, ano terrestre. E que, até o dia de hoje, encontra-se ancorada em outra cordilheira que vocês chamam de Andes.

A energia Kundalini da Terra é agora feminina e o centro de iluminação durante os próximos milhares de anos será a América do Sul. Ali, em um lugar que vocês denominam como o "Fim do Mundo", se dará o começo de uma nova etapa da história da humanidade.
Sim... Não é o Fim, mas o Começo de um Mundo Novo... a Nova Terra.

Em um lugar que até agora se preservou quase virgem se produzirá, em um tempo futuro não muito distante, o ressurgimento de uma nova civilização de seres... os humanos galácticos.

Seres em posse de todo seu potencial, vibrando em energias de alta frequência, manifestando todos os dias a Luz na Terra e em si mesmos... vivendo em absoluto sincronismo com seu próprio Ser, a Mãe Terra e o Cosmos.

Este lugar se chama Patagônia.

Já se perguntaram por que em muitos de vocês cada vez que alguém menciona a Patagônia surge uma maravilhosa vibração? É muito simples... é porque Patagônia = Paraíso... Ou seja, o Céu na Terra.

El Tronador, Bariloche
É ali, numa zona que vocês chamam de São Carlos de Bariloche, nome provindo da antiga tribo de nativos da Terra chamada Vuriloches, que viviam no sopé da montanha sagrada Ten Ten Mahida, hoje chamada de El Tronador, que estamos criando as bases de uma nova Cidade de Luz Planetária... poderíamos lhes dizer que a nova Shambala está começando a tomar forma nesse lugar sagrado.

Esse lugar no planeta Terra foi reservado com este maravilhoso fim.

Esse lugar no planeta Terra, em um futuro não muito distante, será o Portal de entrada não só para diversas dimensões como também para diversos pontos da Galáxia, do Universo e dos Multiuniversos.

Esse lugar no planeta Terra é um verdadeiro Corredor Interdimensional.

Esse lugar no planeta Terra é um verdadeiro lugar sagrado escolhido há milhões de anos e hoje está sendo preparado em diversas fases de ativação: a primeira em 10:10:10, a segunda em 11:11:11 e a terceira em 12:12:12... neste momento, esse lugar no planeta Terra entrará em sincronismo com diversos pontos do corpo do planeta, com cada um de vocês, como também com a Fonte Central da Galáxia... e, como uma supernova de consciência, se expandirá uma nova Energia de Alta Frequência de ida e volta até o Centro Galáctico e de lá para o resto do Universo.

O caminho até o encerramento do grande ciclo está sendo preparado por todos nós da Federação Galáctica da Luz e pelo Alto Conselho da Luz Universal em comunhão com a Mãe Terra, o Pai Sol e a Fonte Central da Galáxia.

Hoje nosso maior desejo é torná-los participantes destes preparativos.

O chamado foi feito.

Nós os saudamos em profundo Amor Uno.

Eu Sou o outro você.

(Esta mensagem, apesar de ser de 19 de setembro de 2010, tem tudo a ver com a que postei anteriormente. Também agradeço a Marilu Martinelli por ter me enviado as duas).

A Kundalini da Terra


Serpente da Luz:
O Movimento da Kundalini da Terra e Surgimento da Luz do Feminino

(por Drunvalo Melchizedek)


A vida é assombrosa! Ocorre a cada 13.000 anos na Terra, um evento sagrado e secreto de que tudo muda, um evento que muda o curso da história.E agora este evento é está a acontecer, mas poucos sabem disso. E a maioria das pessoas que sabem que têm mantido escondido e calado até agora.
Estou falando sobre a Kundalini da Terra. Existe uma energia, ligada ao centro da Terra, que parece que se comporta como uma serpente em movimento, e que se move pelo planeta assim como a energia Kundalini percorre o corpo humano.

 É essa energia que move os aspirantes espirituais de todos os lugares da Terra - não só nos ashrams, kankas e mosteiros do mundo, mas também na vida cotidiana das pessoas comuns, que, a seu modo, estão em busca de Deus. A Kundalini da Terra é a energia secreta ligada ao coração de toda a humanidade.

A Kundalini da Terra está sempre vinculada a uma única localidade da superfície terrestre e se mantém ali por um período de aproximadamente 13 mil anos. Depois disso, ela se transfere para um novo local, onde permanece nos 13 mil anos seguintes, com base em ciclos de tempo que chamamos de Precessão dos Equinócios. E quando ela se move, a nossa idéia do que significa "espiritual" muda. Ela se transforma de acordo com as nossas energias do ciclo futuro, conduzindo-nos a um caminho espiritual mais elevado.

O panorama é este. A Kundalini tem dois pólos, e um está exatamente no centro da Terra. O outro está localizado em algum lugar, e em qualquer parte da superfície da Terra. É a consciência da própria Terra que decide onde irá residir.

E a cada 12.920 anos, exatamente, ocorre uma vibração que leva a polaridade da Kundalini da Terra a se deslocar para o polo oposto e simultaneamente mudar a sua localização na superfície da Terra. Essa nova localização não só desperta rapidamente as pessoas que vivem nas proximidades desse ponto sagrado da Terra como também irradia uma determinada frequência para redes eletromagnéticas que circundam o planeta. Isso, por sua vez, afeta essas redes de consciência de modos que são determinados pelo DNA da Terra. Nós nos desenvolvemos de acordo com um plano e um projeto preestabelecidos.

Para os poucos que sabem deste evento e o do que está acontecendo ao nosso redor, é transferida  uma sabedoria e um estado de paz interior que se torna a sua herança, porque eles sabem a verdade extraordinária. Em meio ao caos, guerra, fome, pragas, crise ambiental e a discriminação moral que todos nós estamos enfrentando aqui na Terra, hoje, no final deste ciclo, os que compreendem a transição não têm medo. Este estado sem medo é a chave do segredo para a transformação que, há milhões de anos, sempre acompanhou este evento cósmico sagrado.

Num certo nível, isso significa que, do ponto de vista espiritual, chegou a vez da mulher liderar a espécie humana rumo à Nova Luz. E, com o tempo, essa luz espiritual feminina acabará permeando toda a gama de experiências humanas, desde líderes do sexo feminino atuando no mundo dos negócios e nas religiões até mulheres assumindo o posto de chefes de Estado. Por volta de 2012 ou 2013, essa luz espiritual feminina ficará forte e evidente para todos os que vivem neste estimado planeta e continuará a crescer durante milhares de anos.

É provável que, para muitos de vocês, nada disto faça sentido até que iniciem a leitura dos capítulos 2 e 3 de meu livro. O capítulo dois trata do  conhecimento sobre o cosmo do que está acontecendo na natureza e nas estrelas e como se relacionam a este novo ciclo de luz. O capítulo três é a história do que as culturas antigas têm entendido sobre este evento até o momento. Ambos preparam vocês para o conteúdo deste livro.


A partir do capítulo quatro apresento as histórias da minha experiência pessoal e do meu envolvimento com esse Serpente da Luz e das centenas de tribos e culturas que secretamente ajudaram a guiar a energia espiritual do Tibete para seu novo lar na América do Sul.

Partindo do Tibete em direção a Índia, essa energia se moveu como uma cobra em quase todos os países do mundo até que chegou ao Chile, a nova casa da Kundalini da Terra, o novo "Tibete".

O que aconteceu no mundo ao longo do caminho que a Kundalini da Terra é quase inacreditável. Pessoas de diferentes culturas e todos os países que colaboraram juntas, como se fossem coordenadas por um poder superior, simplesmente pelo bem da vida humana. E sem essa assistência espiritual, creio eu, a humanidade  não seria capaz de evoluir para o próximo nível de consciência, crucial para a nossa sobrevivência.

Para mim, o chamado para esse modo de vida foi  tão forte que eu senti como se eu não tivesse outra escolha. Ele simplesmente começou a acontecer a toda minha vida, enquanto eu seguia minha orientação interior.

Mas eu não sou o único. Existem 10 milhões de pessoas (na maioria índigenas), que foram impulsionados pela profunda orientação interna a partir de 1949 até o presente, a ajudar a encaminhar essa inexorável Serpente Branca para o seu novo lugar, no alto das montanhas andinas, no Chile, onde ela agora finalmente reside. Essa não é apenas uma alteração do poder espiritual do homem para a mulher, mas também uma mudança do poder espiritual do Tibete e da Índia para o Chile e o Peru. A Luz do Mundo, que foi nutrida e ampliada com as culturas tibetana e indiana, agora está completa. Seu novo reinado acaba de começar no Chile e no Peru e logo afetará o coração de toda a humanidade.

Estas são as minhas histórias pessoais que ocorridas enquanto eu seguia a minha orientação interior para ajudar a trazer equilíbrio para um mundo conturbado. Meu treinamento consiste em me manter conectado com a Mãe Terra e o Pai Celestial em um lugar secreto no meu coração. É muito simples. Uma vez conectado com a Divina Mãe/Pai, desta forma, a vida torna-se um milagre após o outro. Ninguém poderia fazer plano para tais histórias. Elas são concebidas fora de mim na natureza que nos rodeia. Algumas dessas histórias quebram as leis da física, mas não as leis de nossa Mãe ...

Como eu disse, a vida é assombrosa! 
(Com os devidos agradecimentos a quem me enviou, minha amiga Marilu Martinelli - http://mitologiacomentada.blogspot.com)  

quinta-feira, 5 de julho de 2012

Inteligência e Sensibilidade

Uma amiga me enviou estas sábias reflexões de Krishnamurti sobre sensibilidade, que reproduzo aqui para aprofundarmos o tema.
O que é sensibilidade?
Às vezes escutamos algo assim: "Fulana é supersensível! Deixou de falar comigo só porque eu me esqueci do aniversário dela!" Isto não é sensibilidade - isto chama-se "ego melindrado". Ou então: "Ah, eu sou tão sensível! Sou capaz de chorar em qualquer novela!" Isto também não é sensibilidade - isto chama-se "emocional descontrolado".
Mas o que seria a verdadeira sensibilidade?
“A inteligência vem com sensibilidade e observação”, diz Krishnamurti. Já reparou como as crianças são observadoras? Como elas vêem os detalhes? Como elas ficam concentradas observando uma formiguinha? E por que perdemos isto? Simplesmente permitimos que a mecanicidade dos hábitos da vida diária nos levem, deixando-nos distraídos e insensíveis à vida ao nosso redor. Por isto é importante - ou melhor, é urgente - abrir espaços no nosso cotidiano, para chamar de volta nossa sensibilidade, pois ela está aqui, nasceu conosco, é nosso direito. Como posso abrir esse espaço? Separando alguns minutos por dia para ouvir uma música relaxante, ou para observar a natureza seria um bom começo. (Leia "A Física Quântica e a Reconstrução do Mundo" - http://quanticaevedas.blogspot.com).
 
Vejamos as palavras de J. Krishnamurti:

Sensibilidade em sua forma mais elevada é inteligência

"Sem sensibilidade para todas as coisas – para os próprios sofrimentos; para o sofrimento de um grupo de pessoas, de uma raça; para o sofrimento de tudo que existe – a menos que a pessoa sinta e tenha o sentimento altamente sensibilizado, não é possível que ela resolva qualquer problema. E nós temos muitos problemas, não só no nível físico, no nível econômico, no nível social, mas também nos níveis mais profundos do próprio ser – problemas que aparentemente não somos capazes de resolver. (...) Problemas humanos: de nossos sofrimentos, do desespero, do estreito espírito da mente, da superficialidade de nosso pensar, do constante tédio repetitivo da vida, a rotina de ir ao escritório durante quarenta ou trinta anos.”
“E os muitos problemas que existem, conscientes e inconscientes, embotam a mente e, assim, a mente perde sua extraordinária sensibilidade. E quando nós perdemos a sensibilidade, perdemos a inteligência.”

Sensibilidade de mente e coração

“Vocês têm que ter este extraordinário sentimento, esta sensibilidade a tudo – ao animal, ao gato que caminha pelo muro, à falta de asseio, à sujeira, à imundície dos seres humanos na pobreza, em desespero. Vocês têm que ser sensíveis – o que é sentir intensamente, não em uma direção particular, que não é uma emoção que vem e vai, mas que é ser sensível com seus nervos, com seus olhos, com seu corpo, seus ouvidos, com sua voz.”

“A inteligência vem com sensibilidade e observação.”

“A sensibilidade não vem com informações e conhecimentos infinitos. Vocês podem conhecer todos os livros do mundo, podem tê-los lido, tê-los devorado; vocês podem ser familiares a todo autor, podem saber todas as coisas que foram ditas, mas isso não traz inteligência. O que traz inteligência é essa sensibilidade, uma total sensibilidade de sua mente, tanto consciente quanto inconsciente, e do seu coração com suas extraordinárias capacidades de afeto, simpatia, generosidade. E com isso vem esse intenso sentimento, sentimento pela folha que cai de uma árvore com todas as suas cores mortiças e a sujeira de uma rua imunda – vocês têm que ser sensíveis a ambos; vocês não podem ser sensíveis a um e insensíveis ao outro. Vocês são sensíveis – não meramente a um ou a outro.”

Uma mente presa ao hábito é insensível

“A maioria de vocês é fisicamente insensível porque vocês comem em excesso, fumam, negligenciam em várias formas de delícias sensuais – não que vocês não devessem. Mas a mente torna-se embotada dessa forma, e quando a mente torna-se embotada, o corpo torna-se ainda mais embotado. Esse é o padrão no qual temos vivido.”

“Hábito físico gera insensibilidade; obviamente qualquer hábito como drogas, álcool, ou tabagismo faz o corpo insensível, e isso afeta a mente – a mente que é a totalidade da percepção, a mente que deve ver muito   claramente, não confusamente, e na qual não deve haver nenhum conflito, qualquer que seja.”

“O conflito não é tão somente um gasto de energia; ele também faz a mente embotada, pesada, tola. Tal mente aprisionada no hábito é insensível; a partir dessa insensibilidade, desse embotamento, ela não aceitará nenhuma coisa nova porque há medo.”

Quando nossos corações estão vazios

“A sensibilidade à beleza e à feiura não surge através do apego;ela vem com o amor, quando não há conflitos autocriados. Quando somos pobres internamente, rendemo-nos a toda forma de ostentação, de riqueza, poder e posses. Quando nossos corações estão vazios, juntamos coisas. Se podemos sustentar isso, cercamo-nos de objetos que consideramos bonitos, e porque atribuímos enorme importância a eles, somos responsáveis por muita miséria e destruição.”

quarta-feira, 6 de junho de 2012

Vegetarianismo e Propaganda


Eu acredito no vegetarianismo como uma filosofia de vida que eleva o homem, especialmente do ponto de vista espiritual. Tenho absoluta fé de que na próxima Era de Ouro que está por vir o nível de consciência reinante não permitirá que continuemos a nos alimentar à custa do assassinato dos irmãos animais. Isto virá.
Tornamo-nos insensíveis ao sofrimento animal. Partimos de crenças falsas. Fizeram-nos acreditar que não podemos viver sem ingestão da proteína animal. Embora esta idéia já tenha caducado, porque já se provou e divulgou por todos os meios de comunicação que isto não é verdade, que podemos, sim, viver sem carne e até com mais qualidade de vida, continuamos presos a um hábito. O hábito é o pior dos cárceres. Há uma historinha interessante para ilustrar nosso pensamento:
“Certa vez, um urso faminto perambulava pela floresta em busca de alimento. A época era de escassez, porém, seu faro aguçado sentiu o cheiro de comida e o conduziu a um acampamento de caçadores. Chegando lá, o urso tirou da fogueira um imenso panelão de comida. Abraçou o panelão e enfiou sua cabeça nele para devorar o conteúdo. Foi aí que sentiu o calor e a queimadura nas patas e no peito. Era uma sensação nova que ele nunca havia experimentado. Interpretou as queimaduras como uma coisa que queria lhe tirar a comida. Começou a urrar muito alto e, quanto mais alto rugia, mais apertava a panela quente contra seu imenso corpo. Quando os caçadores chegaram ao acampamento, encontraram o urso recostado a uma árvore próxima à fogueira, morto, agarrado ao panelão de comida.”
Assim somos nós. Defendendo nossos velhos e retrógrados hábitos com unhas e dentes, agarramos nossa panela. Perdemos o dom da reflexão. Perdemos o bom senso. Sabemos que morreremos queimados, mas ainda assim não soltamos a panela quente. Sabemos de tudo, mas fingimos não saber. Basta pensar um pouquinho nas consequências antinaturais trazidas ao planeta pelos grandes rebanhos. Quando não houver mais árvores para derrubar, quando não houver mais oxigênio para respirar, sabemos que feneceremos. Mas preferimos morrer agarrados à panela, presos ao hábito. Isto, definitivamente, não é inteligente.
No entanto, acredito nas mudanças. Acredito na evolução da consciência. Acredito na palavra dos grandes mestres hierárquicos. Tudo isto deixará de ser assim. Cada um precisa fazer a sua parte. 
Há muitos movimentos de conscientização proliferando, pessoas se mobilizando para conscientizar outras. Cada uma com métodos diferentes de sensibilização. Eu, particularmente, não gosto do método de propaganda maciça utilizando ferramentas negativas. No meu caso, tornei-me vegetariana depois de ouvir uma gravação de um instrutor espiritual (Trigueirinho). Com voz suave, sem me mostrar nenhuma foto sangrenta, ele me convenceu.
Sathya Sai Baba sempre adotou a dieta vegetariana e pedia a seus devotos que parassem com o sacrifício animal, para nosso próprio bem e do planeta. Nunca permitiu que enchessem o ashram com fotos de animais morrendo para nos convencer melhor.
A superexposição da violência apenas a banaliza, tornando-nos imunes a ela.
Atualmente, a violência entra nos nossos lares com a maior naturalidade, pela TV, pelo rádio, pelos jornais e revistas, pela internet. Como algo que já faz parte da nossa rotina, vemos desfilar ante nossos olhos e das nossas crianças as piores atrocidades.
Percebam os dois extremos: Estados Unidos e Reino do Butão. Nos Estados Unidos, tudo é permitido. A “violência nossa de cada dia” é alimentada pelos filmes violentos, amplamente divulgados e propagados, principalmente pela televisão. O que vemos como consequência? Um grande desequilíbrio. A indústria da propaganda do crime e do horror devolve à sociedade um fruto amargo... mais e mais os valores do espírito são ignorados e, aqui e ali, explodem criaturas que, muitas vezes, até pareciam pacatas, e, de repente, munidas de armas conseguidas com as facilidades do mundo moderno, parecendo saídas de uma ficção tenebrosa, começam a matar pessoas em série e depois, não raro, matam-se a si próprias.
Agora vamos ao Reino do Butão. Tão distante e inacessível que é esse país, perdido lá pelos Himalaias, que muitos sequer sabem da sua existência. Mas ele existe. Os habitantes são, em sua maioria, budistas; seres pacatos, ligados aos valores budistas, às suas famílias, às suas tradições. Lá, o rei estabeleceu o FIB (Felicidade Interna Bruta), ao invés do PIB (Produto Interno Bruto).
A localização de difícil acesso permitiu que o Reino do Butão fosse uma ilha de paz no oceano revolto do mundo, vivendo de acordo com sua cultura e tradição secular. Nesse reino não havia televisão até alguns anos atrás. Hoje em dia, diríamos nós, o Butão está “modernizado”, pois já pode contar com TV e internet. E as estatísticas estão aí mostrando a triste realidade que não queremos ver. Enquanto, no passado, os crimes eram praticamente inexistentes nesse paraíso perdido dos Himalaias, não se pode mais dizer a mesma coisa atualmente. A influência dos filmes violentos, mostrada na TV e na internet, vem entrando maciçamente, impiedosamente e nocivamente em algumas almas, provocando danos. E o Reino do Butão não é mais o mesmo...
É uma prova de que nós nos tornamos aquilo que contemplamos.
Eu evito a TV de um modo geral, mas evito principalmente programas onde o submundo da humanidade é escancarado de forma nua e crua, porque sou uma buscadora espiritual e isto contamina a atmosfera interna do buscador. Como aspirante, preciso criar um clima para que meu ser interno se expresse.
Somos frágeis. Ninguém pense que está imune às vibrações negativas do ambiente. Somos seres altamente permeáveis. As impressões negativas entram na nossa aura, influenciam nossa mente, contaminam nossas emoções.
Às vezes ocorre de termos tanto cuidado com o que entra na nossa boca, mas não temos cuidado com o que entra em nós pelo que escolhemos ver, pelo que escolhemos ler, pelo que escolhemos ouvir. Tudo é alimento.
Sathya Sai Baba diz:
Ouvir sons desarmônicos, olhar imagens pouco construtivas, não constitui uma dieta pura.”
“Quando você se livrar da poluição que nasce do mau uso dos cinco órgãos dos sentidos, você será capaz de se divinizar.”
“Ver todos os tipos de coisas, indiscriminadamente, é repleto de perigos. É somente quando o homem tem uma visão pura que ele pode se livrar das impurezas no corpo, na fala e na mente.”
Percebo por trás dos movimentos de algumas pessoas (e dos meus próprios movimentos) uma ansiedade para que as coisas mudem. Não suportamos mais o mundo como ele está. Essa ansiedade, porém, nos leva a esquecer que as mudanças têm seu próprio ritmo.
Se quero convencer as pessoas a serem vegetarianas, o passo mais importante é não ter ansiedade para tentar convencê-las. Primeiro preciso conter-me. Tudo começa comigo. Somos todos ímãs magnéticos. Se eu quero a paz, preciso primeiro ser a paz. A vibração que emanarei será sentida e outros poderão aderir.
Somos todos um, nunca duvidemos disto.

quarta-feira, 30 de maio de 2012

Equilíbrio


"Equilíbrio é a habilidade de olhar para a vida a partir de uma perspectiva clara - fazer a coisa certa no momento certo."

"Uma pessoa equilibrada será capaz de apreciar a beleza e o significado de cada situação seja ela adversa ou favorável."

"Equilíbrio é a habilidade de aprender com a situação e de prosseguir com sentimentos positivos. É estar sempre alerta, ser totalmente focado, e ter uma visão ampla."

"Equilíbrio vem do entendimento, humildade e tolerância. O mais elevado estado de equilíbrio é voar livre de tudo e, ainda assim, manter-se firmemente enraizado na realidade do mundo."

(Brahma Kumaris)

Achei um primor estas considerações sobre equilíbrio da Brahma Kumaris. Ah, como o equilíbrio nos parece, às vezes, uma utopia, tão difícil que é chegar a ele! 
Quantas pessoas realmente equilibradas conhecemos? Acredito que bem poucas...
A busca do equilíbrio, a busca do estado equânime da mente (que independe das situações externas) é a mesma busca do autoconhecimento. É a busca por si mesmo. Por que? Porque encontrar a si mesmo é integrar-se, é recuperar seus aspectos dispersos, é contemplar a própria essência e descobrir-se imortal, uno, universal, indestrutível, atemporal. 
Sofremos e nos desequilibramos porque tiramos o foco da nossa alma, da nossa raiz, da nossa profundeza. Os mestres fazem uma comparação muito oportuna da nossa vida com as ondas do lago: quanto mais estamos na superfície, mais ondas podemos ver; ao contrário, se adentramos a profundeza do lago, tudo é tranquilo.
"Equilíbrio é a habilidade de aprender com a situação e de prosseguir com sentimentos positivos". Aprender com a situação. Esta é uma chave poderosa. Para aprendermos com as situações, é necessário que desenvolvamos, em primeiríssimo lugar, uma fé, uma certeza absoluta de que tudo aquilo que nos chega é aquilo que é o melhor para nós naquele momento. É acreditar que o universo nunca erra, nunca é injusto. É parar com infantilidades do tipo: "Ah, Fulano é uma pessoa tão boa, não merecia isto!"... Ninguém está passando por nada de graça, ou por engano! Ainda que na vida presente tenhamos um comportamento bom e justo, o que sabemos das vidas passadas?
Uma vez conheci uma mulher muito positiva. Ela havia tido um casamento estável, uma união harmoniosa, feliz e longa, até que o marido adoeceu e morreu, deixando-a viúva. Ela disse que perder o marido foi o acontecimento pior que teve de enfrentar em toda a sua vida; e, paradoxalmente, foi uma tragédia que se tornou positiva, pelo muito de autossuperação que trouxe para a sua existência. Isto eu considero uma pessoa iluminada. Ela sofreu o abalo e perguntou a si mesma o que teria de mudar para superar a perda. E partiu para a luta. Em vez de ficar se debatendo num mar de autopiedade e martírio, usou o sofrimento como mola para tranformar aspectos dentro de si. Transmutou a dependência em autoconfiança. E venceu. 
Lamentações e queixas não levam ao equilíbrio; puxam-nos para trás. Todos os acontecimentos - bons ou maus - são alavancas. Alavancas que nos lançam para que busquemos o estado equânime (ou zen, na linguagem budista), quando compreendemos que todo o nosso desequilíbrio estava apenas na superfície. Somos um lago sereno em nosso interior, e nunca deixaremos de ser.

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Transparência, Atributo do Novo Homem

"A verdade pode machucar, mas é sempre mais digna." (Charles Chaplin)


A falta de sinceridade nos nossos relacionamentos é impressionante. Estava pensando aqui comigo: se pudéssemos visualizar, nem que fosse por um segundo, o imenso e intricado novelo de complicações que nosso medo de falar a verdade provoca, repensaríamos nosso modo de ser e de nos relacionarmos uns com os outros.
Sim, gentileza é fundamental. Sim, educação é primordial. E delicadeza, leveza e tudo o mais.
Mas será que não podemos combinar as coisas? Ser gentis e verdadeiros? Educados e sinceros? 
Precisamos descobrir urgentemente um meio de ser mais transparentes em nossas relações. 
O grande problema é que temos medo de ser sinceros, muitas vezes. E nisso iniciamos um processo de meias-verdades, silêncios, meias-palavras, que confundem, iludem, machucam e complicam o simples. Situações incômodas são criadas e alongadas no tempo porque faltou uma palavra de coragem, uma palavra de esclarecimento.


Sartre dizia: "Para mim, o que vicia as relações entre as pessoas é que cada um conserva, na relação com o outro, alguma coisa de oculto, de secreto. Penso que a transparência deve sempre substituir o segredo. E penso muito no dia em que duas pessoas não terão mais segredos entre si porque não mais os terão para ninguém, porque a vida subjetiva, assim como a objetiva, estará totalmente aberta".


Eu também sonho este mesmo sonho. Acredito nesse novo mundo aberto, sem segredos nem subterfúgios. Acredito no novo homem, ainda que a realidade de hoje seja tão obscura. E a transparência é um dos atributos do novo homem, aquele que herdará a nova terra.


A ficha está caindo lenta para muita gente, mas está caindo. Não temos mais tempo de procrastinar. Puxemos a manivela e deixemos que as fichas caiam livres. Todo este mundo de ilusão está desmoronando. Precisamos pular com os dois pés no novo mundo. Estamos sendo puxados, ajudados, aconselhados, reivindicados de todas as maneiras pelas correntes divinas desse novo mundo. Essas correntes, representadas por Avatares, Hierarquias, santos, anjos, arcanjos, almas elevadas etc. e tal estão aqui conosco, neste final de ciclo, doando-se por nós, tentando inspirar-nos e elevar-nos ao novo patamar, à nova era prevista por todos os seres iluminados. No entanto, o pulo só nós podemos dar. O impulso de pular é nosso e somente nosso. Hierarquia alguma dará o salto por nós, porque se o fizessem estariam ferindo uma lei cósmica sagrada: a lei do livre-arbítrio.


Então, façamos todos um supremo esforço para mudar, ser mais transparentes, mais claros, mais honestos em nossas relações. Isto já seria um grande passo para acompanhar as grandes mudanças que estão por vir. 


Lembremo-nos de que as mudanças virão, independentemente de estarmos aptos a nos adequar a elas ou não. Se nos adequamos, horizontes de luz se revelarão. Se não nos adequamos, seremos tragados por todo esse conteúdo retrógrado que será inexoravelmente transmutado.


É ter em mente que nada é impossível. Difícil, sim, mas não impossível. Abrir o coração ao amor é a chave. "Por amor a mim, em primeiro lugar, por amor ao outro, tentarei hoje ser transparente e sincero com tudo e com todos".  Guardemos este mantra.

segunda-feira, 16 de abril de 2012

Esteja Atento

"O alcance do que pensamos e fazemos 
é limitado pelo que deixamos de notar.
E por deixarmos de notar que deixamos de notar
pouco podemos fazer para mudar,
até que notemos
como o deixar de notar
forma nossos pensamentos e ações."
(R.D. Laing)


Será que já paramos para refletir sobre o mundo de coisas que deixamos de notar por estarmos distraídos? E - mais - será que já paramos para sentir o quanto o nosso "notar" está impregnado de julgamento? 
Recebi e repasso o texto a seguir, para nossa reflexão, da minha amiga Marilu Martinelli (http://mitologiacomentada.blogspot.com). O texto veio sem autor.



"Esteja atento a tudo, às árvores, a esta palmeira, ao céu; ao mugido das vacas, à luz sobre a folhagem, sobre esse rosto; em seguida, mergulhe seus olhos em si mesmo. Pode-se observar e ter uma consciência sem escolha de coisas externas – é muito fácil. Mas entrar no seu próprio universo interior é tornar-se consciente do que está acontecendo dentro de si – tanto de suas crenças, de seus medos, seus dogmas, suas esperanças e suas frustrações, como as de suas ambições e tudo o mais. Assim, o consciente e o inconsciente começam a se revelar. Mas para isso você deve se abster de agir. É preciso simplesmente tomar consciência das coisas, sem condenação, sem nada forçar, sem tentar mudar aquilo do que você se tornou consciente. O que você vai testemunhar se parece com a maré crescente. O aumento da maré é irresistível: nada – nem um muro ou qualquer outra coisa – pode impedir sua tremenda energia. Da mesma forma, se você prestar atenção, sem escolha ou exclusão, a totalidade da consciência começa a se implementar sob esse olhar. E a medida que se revela, devemos seguir o movimento; e isso se torna extremamente difícil, na medida em que é necessário seguir o movimento de cada pensamento, cada sentimento, cada desejo secreto. As coisas se tornam difíceis a partir do momento em que você começa a resistir, a partir do instante em que você diz “essa coisa é horrível”. “Isso é bom”. “Essa outra é ruim”. “Vou manter isso e rejeitar aquilo.” Então você começa pelo plano exterior, para passar, em seguida, para o plano interior. Você vai perceber então, ao abordar o plano interior, que os dois planos – interior e exterior – não estão dissociados, e a tomada de consciência do mundo exterior e do nosso mundo interior são idênticos. Você constatará então que vive no passado, nunca houve em sua existência um instante de vida autêntica, um momento em que não houvesse mais passado nem futuro – dito de outra forma, um momento real. Você vai descobrir que você vive perpetuamente no passado, na memória – lembranças de suas experiências, do que você era: tão inteligente, tão bom, tão ruim. Estas são as lembranças, a memória. Então você tem que entender a memória, não negá-la não sufocá-la ou fugir dela. Aquele que fez voto de celibato, por exemplo, se agarra à lembrança deste voto e quando ele se distancia desta lembrança, ele se sente culpado e toda a sua vida é como que  asfixiada. Você começa a prestar atenção em tudo e é assim que a sua sensibilidade se refina: atento à escuta, atento não só ao mundo exterior, aos gestos externos, mas também ao que está em você, a esse espírito que olha e que, portanto, sente – e quando você exerce uma atenção sem escolha, todo o esforço está ausente. É importante entender isso."

Não podemos esquecer que "estar atento" é uma das chaves para o autoconhecimento.

quinta-feira, 29 de março de 2012

Do Casulo e das Nossas Impaciências


O grande escritor e filósofo grego Nikos Kazantzakis (“Zorba, o Grego”) conta que, quando criança, reparou num casulo preso a uma árvore, onde uma borboleta preparava-se para sair. Esperou algum tempo, mas – como estava demorando muito – resolveu acelerar o processo. Começou a esquentar o casulo com seu hálito; a borboleta terminou saindo, mas suas asas ainda estavam presas, e terminou por morrer pouco tempo depois.
“Era necessária uma paciente maturação feita pelo sol, e eu não soube esperar”, diz Kazantzakis. “Aquele pequeno cadáver é, até hoje, um dos maiores pesos que tenho na consciência. Mas foi ele que me fez entender o que é um verdadeiro pecado mortal: forçar as grandes leis do universo. É preciso paciência, aguardar a hora certa, e seguir com confiança o ritmo que Deus escolheu para nossa vida”.

Sempre que leio algo assim, minha fé se renova. Minha fé de que muitos de nós estão aptos a dar o salto espiritual que o momento exige.
Alguns poderão rir do fato de se poder ficar com peso na consciência pela morte de uma borboleta. Nossa educação contemporânea ainda é extremamente falha quanto ao sentido das coisas, quanto ao desenvolvimento da sensibilidade com referência a todos os seres viventes e sua intrínseca importância e correlação com tudo o que existe.
É de Kazantzakis a frase: “Você não é um ser humano que está tendo uma experiência espiritual. Você é um ser espiritual que está tendo uma experiência humana”.
Seres espirituais tendo uma experiência humana. Será que temos dúvida quanto a isto? Temos, sim, quando não procuramos desenvolver os valores do espírito; quando somos violentos (com atos, palavras ou pensamentos); quando somos inertes, deixando sempre para depois o que deveríamos ter feito ontem; quando apontamos o dedo na cara do outro e tememos o espelho. E quando entramos nessa onda de aceleramento global.
Tudo tem seu ritmo. Estamos nos forçando a um ritmo que não é o nosso, não é o ritmo da nossa natureza. Vivemos com pressa, correndo contra o tempo, especialmente nos grandes centros urbanos. Por vivermos com pressa, começamos a nos habituar a um novo ritmo. E criamos um descompasso entre este novo ritmo acelerado e o ritmo cósmico, sagrado, aquele que nos diz, repetindo o filósofo: “É preciso ter paciência, aguardar a hora certa e seguir com confiança o ritmo que Deus escolheu para nossa vida”.
Sim, muitas vezes não parece fácil. Como mudar? Como dizer isto a um funcionário de uma fábrica que precisa mostrar rapidez e produção com um mínimo de tempo? Como dizer isto a um empregado de uma lanchonete fast-food? Podemos criar um movimento contrário. Aliás, já existe um movimento assim, na Europa, como reação ao fast-food.
E como surgem esses movimentos? Surgem a partir de uma ou duas pessoas que começam a refletir, que começam a sair da mentalidade mecânica de repetição. Os movimentos contrários surgem a partir de um questionamento básico, uma rápida parada para pensar: “Para onde estão me levando? Onde chegarei nesse ritmo?” A partir daí, começamos a abrir clareiras na nossa mente, na nossa vida.
Um mero relaxamento, um momento de meditação, uma pausa musical, um instante para admirar a natureza, para interagir com uma criança, coisas simples assim que qualquer pessoa pode fazer, são suficientes, na maioria das vezes, para acalmar uma ansiedade.
As borboletas nos ensinam muito. Aprendamos com elas a confiar na sabedoria do pulsar do universo.

quarta-feira, 21 de março de 2012

Equinócio e Interiorização

"Felizes aqueles que reconhecem os Deuses em todas as suas formas; sabem que Eles falam todos os idiomas, são de todas as cores e dançam de todas as formas." (Anônimo)

Este pensamento me evoca um tempo que talvez eu tenha vivido, talvez não... Penso que já fui celta um dia, participando ativamente daqueles rituais alegres, em que a espiritualidade era algo leve e tão profundamente ligado à Terra e às estações.
Recebi alguns e-mails interessantes sobre a simbologia do Equinócio (20 de março: Equinócio da Primavera no hemisfério norte e Equinócio do Outono no hemisfério sul).
Na astronomia, equinócio significa o momento em que o sol cruza a linha do equador terrestre projetada na esfera celeste.
A palavra equinócio vem da junção de duas palavras do latim: aequus (igual) e nox (noite). Portanto, significa "noites iguais", porque nessas ocasiões o dia e a noite possuem a mesma duração. Os equinócios ocorrem nos meses de março e setembro, quando definem mudanças de estação. 
Nosso calendário cristão é baseado nos equinócios.
De acordo com a Astrologia, é quando o sol, na sua trajetória anual, encontra-se no grau zero do signo de Áries que o ano realmente tem início. 

Antigamente, nos tempos em que a humanidade não era tão "tecnológica" e, portanto, mais próxima à natureza e suas mudanças, a transição das estações era uma ocasião marcante, de muita celebração entre as pessoas. Os equinócios e solstícios eram muito festejados, e o aspecto religioso desses festejos não estava apartado da Mãe Natureza e seus ciclos - momento de semear, momento de colher.
Estar ligado aos ciclos da Terra é estar ligado a si mesmo, uma vez que somos filhos da Terra e tudo o que acontece à Terra acontece a nós, à nossa natureza interna. Quanto mais nos distanciamos da natureza, mais artificiais nos tornamos, mais perdidos, mais fora do nosso eixo central.
Ao tempo em que nos afastamos dessa celebração mais simples e pura, despretensiosa e despojada, manifestada em danças de roda ao ar livre, alegria de viver por viver, confraternização comunitária em sintonia com os ciclos terrenos, perdemos muito da nossa alma. Basta olhar como são nossas celebrações de hoje. Música (eu disse música?) estridente, alto consumo de álcool e drogas são normais entre nossos jovens. Excessos. E não somente os jovens se entregam a estes excessos. O que dizer do nosso consumismo quando chega o Natal e o final do ano?
Estamos nos perdendo nesses excessos todos. Não há interiorização.
Todos os momentos são importantes para uma introspecção, mas o instante do equinócio pode ser de ajuda. 
Procure um local junto à natureza, se não for possível crie esse lugar com sua imaginação. Faça silêncio, contemple seu interior. Busque sua própria singularidade e, enquanto faz isto, aproveite para jogar fora o que está velho ou o que não é usado. Reestruture a sua vida, remoldando os pensamentos (tudo começa aí), modificando os hábitos, revendo seu potencial. 
E alegre-se! Há sempre uma nova estação!

segunda-feira, 12 de março de 2012

Lobo - Enigma e Aprendizagem

Lobos, venham!
Revelem o que perdi,
Minha natureza forte e inquebrantável!
Devolvam meu espírito livre,
A correr e percorrer montanhas e planícies
Conquistando espaços e canções.
Venham, uivem aos meus ouvidos
E despertem minha alma adormecida.

(Dora Lakshmi, março/2012)

Tive a agradável surpresa de descobrir, semana passada, que pelo horóscopo xamânico eu sou do signo do Lobo (Lobo: 21 de fevereiro a 20 de março – a Lua dos Grandes Ventos).
Sempre tive fascinação por lobos (talvez por isto tenha adotado três huskies no passado). E descobri coisas fantásticas sobre eles em minhas pesquisas.
Sem sombra de dúvida, ele é uma das mais misteriosas criaturas do reino animal. Enigmático, belo em sua natureza indomável, o lobo invadiu o imaginário popular com lendas, superstições e histórias reais e surrealistas. Desde o famoso Chapeuzinho Vermelho até as tenebrosas histórias de lobisomen, ele reina pelo tempo, desafiando aqueles que tentam decifrá-lo.

Curiosidades

Versátil e adaptável, o lobo tem se desenvolvido nos mais diversos ambientes, como  florestas, desertos, montanhas, tundras, campos e mesmo áreas urbanas.
A saliva dos lobos tem o poder de reduzir a infecção bacteriana em feridas e acelerar a regeneração dos tecidos. Sua audição é capaz de ouvir a queda de uma simples folha. Seu olfato é cerca de 10 vezes mais apurado que o dos cães domésticos e 100 vezes melhor que o dos humanos. Duzentos milhões de células nervosas olfativas dentro de seus focinhos detectam informações precisas sobre a origem dos cheiros. Seus olhos são oblíquos e à noite brilham como brasas. Sua visão noturna é a mais avançada da família dos canídeos.
Animal gregário e fiel, valoriza a família e possui um sistema hierárquico altamente sofisticado. Através de uma linguagem corporal singular, é possível dizer a posição do lobo na hierarquia da matilha pela simples observação de sua postura. 
Os lobos também são lendários devido aos uivos noturnos, usados tanto para se comunicar como para advertir os adversários da sua presença, ou ainda como chamado para o acasalamento. O uivo de um lobo pode ser ouvido numa distância de 1 km.

A ameçada dos humanos

Ao contrário do que sempre se divulgou, os lobos não são uma ameaça para os humanos, o homem é que é um perigo para os lobos. Com a redução das florestas, seu território vem sendo reduzido, o que os obriga a atacar outros animais domésticos, sobretudo ovelhas, por uma questão de sobrevivência. Isto gera ira nos criadores, que procuram como solução acabar com os lobos nas suas zonas de pasto, perseguindo-os e reduzindo assim drasticamente sua população.

Simbologia Oculta (um zoom no nosso lobo interno)

"Os lobos saudáveis e as mulheres saudáveis têm certas características psíquicas em comum: percepção aguçada, espírito brincalhão e uma elevada capacidade para a devoção. Os lobos e as mulheres são gregários por natureza, curiosos, dotados de grande resistência e força. São profundamente intuitivos e têm grande preocupação para com seus filhotes, seu parceiro e sua matilha. Têm experiência em se adaptar a circunstâncias em constante mutação. Têm uma determinação feroz e extrema coragem.”
(Clarissa Pinkolas Estés, escritora e psicanalista)

A simbologia do Lobo remonta aos tempos antigos. O que há de tão inquietante nele? A mudança é um dos símbolos ocultos do lobo. Ele é um mestre catalisador da transformação. Daí porque tornou-se um símbolo tão inquietante para a humanidade, num mundo em que a grande maioria não gosta e não aceita a transformação, apenas se preocupa em manter o status quo.
Paradoxalmente, conquanto seja ligado à família, o lobo sabe preservar, com sabedoria, sua solidão e individualidade. Saber viver com os outros e, ao mesmo tempo, ter a consciência de que é preciso isolar-se para ouvir a própria intuição é uma das maiores lições que o lobo nos ensina.
O Lobo tem os sentidos aguçados e a lua é sua aliada. A lua  representa a energia psíquica e do inconsciente.  Preservando os segredos da sabedoria e do conhecimento, ela é o princípio cósmico feminimo cósmico que coordena os ciclos da vida. 
Os índios americanos cultivavam um grande respeito pelos lobos. No xamanismo, o Lobo simboliza amor,  inteligência, sabedoria e cura. É o arquétipo do professor. É aquele que sai pelo mundo, aprende coisas novas e volta ao seu clã para partilhar e ensinar o que aprendeu.
Foi o lobo que ensinou aos humanos a arte viver em harmonia. Foi ele que nos ensinou a viver em comunidade, pois possui o conhecimento intuitivo da ordem no meio do caos e a habilidade de sobreviver às mudanças.
Mais do que qualquer outro animal, o lobo representa o lado selvagem e indomado da vida. Demonstra algo que, lá nos recônditos do nosso inconsciente, nós humanos desejamos. 

Today near eventime I did lead
the girl Who has no seeing
a little way into the forest
where it was darkness and shadows were.
I led her toward a shadow
that was coming our way.
It did touch her cheeks
With its velvety fingers.
And now she too
does have likings for shadows.
And her fear that was is gone.

(Hoje quase ao anoitecer levei
a menina que não vê
um pouco pela floresta adentro
onde estava escuro e havia sombras.
Levei-a até uma sombra
que vinha na nossa direção.
A sombra tocou-lhe o rosto
com seus dedos de veludo.
E agora também a menina
veio a gostar das sombras.
E o medo que existia passou.)

(Opal Whitely)